quinta-feira, 27 de maio de 2010


Estou sentada no meu quarto. Luzes apagadas e janela subida. São quase onze da noite.
Tenho uma lua enorme e a vista iluminada de uma cidade que aprendi a amar.
Há um ano atrás era-me impensável estar onde estou, fazer o que faço, estudar o que estudo, amar quem amo. Esqueci pedaços do meu passado, pedaços que supostamente deveriam ser importantes, ou pelo menos achava que seriam na altura, mas não o são porque mal restam lembranças. A minha vida apagou-os como se apagam memórias das idas ao supermercado. Sou feliz com as escolhas que fiz, feliz por estar onde estou, por fazer o que faço, por estudar o que estudo, por amar quem amo. Nem tudo é fácil, muito pouca coisa o é, mas estou feliz. Estou longe da cidade onde nasci e é cansativo vir para cá, mas a verdade é que me sinto bem aqui. Fico feliz pelo destino me ter trazido para cá. Por mais incrível que pareça, a probabilidade de vir para era de 0.003%, não havia vontade porque era inimaginável na altura tal coisa, porque a minha vontade era outra, porque me senti tentada a seguir outros caminhos, fazer outras escolhas. Desisti deles à ultima da hora, no último segundo, de vários deles, várias vezes. Tive tão incrivelmente perto de outros caminhos, que me teriam, sem dúvida, traçado um presente diferente. Fechei muitas portas a deixá-los para trás. Mas, muitas outras abriram-se. Uma delas vai-se abrir daqui a pouco, trazendo uma de muitas razões de eu ser feliz a estudar cá.

Sem comentários:

Flickr Images