domingo, 27 de abril de 2014

Do amor. Qual Nicholas Sparks qual quê.


Já aqui falei de uma utente minha com alzheimer. Cinquenta anos de vida que o alzheimer esqueceu. Numa mulher acordada, mas num sono mais profundo do que a capacidade de a acordar.

Não há flashes de lucidez, apenas um discurso desconexo. Nada mais elaborado do que sons sem ordem nem sentido, num corpo que anda, mas que não tem noção de si, nem do que faz ou para onde vai.
No meio da doença, que deixa os filhos órfãos de mãe viva, há um senhor que lhe dá uma atenção especial.
Um senhor que lhe traz amêndoas e doces, que a tenta conquistar todos os dias como se fosse o primeiro, mesmo que ela não retribua nenhum agradecimento.

No meio da profundidade da doença, da obscuridade de uma vida anestesiada da realidade, estes dias 'apanhei-a' a tentar dar um beijo na boca ao tal senhor.
E aquele momento mostrou-me que o amor é realmente algo poderoso. 

4 comentários:

ML disse...

Até me emocionei!

S* disse...

Oh pah. <3

A Pimenta* disse...

Tenho tanto medo dessa doença. As pessoas perdem a sua identidade, é mesmo triste :(

Diana Moura disse...

que bonito!
obrigada por partilhares.
DMoura

Flickr Images