quinta-feira, 26 de abril de 2018

Voltei, voltei de Lá(ondres)

london, Big Ben, and england image

Ora ora ora... amigos adorei Londres. Não sei se gosto mais de Paris, se de Londres mas adorei cada minuto que passei naquela cidade. Senti-me segura! Coisa que nem sempre senti em Paris ou Amesterdão, por exemplo. 
O voo foi cedo, então às 5.50h já estava na CP para apanhar um comboio para o Porto. Como sempre a CP falha-nos nos momentos mais críticos. O comboio começou a atrasar e atrasar e eu a ver a minha vida a andar para trás. Com meia hora de atraso chego ao Porto e deparo-me com a greve no Metro... great! Lá fomos nós de táxi e era se queríamos embarcar.

Chegamos a Luton e apanhamos autocarro da National Express que foi direta ao centro de Londres. Se voltar a precisar de transporte para o aeroporto lá, certamente voltarei a usar.
Depois chegamos ao apartamento Airbnb e voltamos a ter uma boa experiência. Tínhamos cozinha, frigorífico, microondas, secador de cabelo (o que me valeu porque me esqueci do meu alisador, como foi possível?). Poupamos consideravelmente face a um hotel e estávamos a um minuto dos transportes o que foi ideal. Uma amiga nossa ainda nos aconselhou um hostel mais acessível (face a média dos outros hotéis/hostels) mas mais distante da cidade, caso quiséssemos, mas para além disso ficava a 10 minutos a pé do metro e no fundo funcionava como um Airbnb, ou seja também não tinha recepção. Começamos logo a pensar no cenário de ter que andar esse tempo de noite depois de sair do metro, por ruas escuras e escondidas e preferimos logo a nossa primeira escolha, o Airbnb. Foi a aposta certa.

Agora a cidade, ai a cidade... Tem uma vibração diferente e é uma misturada cultural daquelas, os monumentos são de ficar de queixo caído e as pessoas são simpáticas. Pelas nossas contas contas gastamos 400€ (2 pessoas) incluindo viagens, estadia, comida, transferes, London Eye, etc. Assim que conseguir faço o nosso guia de Londres (low cost como sempre).
Nem sempre gosto de repetir sítios onde já fui (uma vez que há tantos outros para conhecer) mas a Londres quero voltar, sem dúvida!

terça-feira, 10 de abril de 2018

Viagens e cenas: Madeira e Londres

Não vos contei mas voltei à Madeira.
Não contava regressar tão cedo mas são coisas do coração... com o meu único irmão, único sobrinho e única cunhada a viver no Funchal decidi levar lá os meus pais.
Reservei os voos pela Easyjet super baratos (30€ ida e volta/pessoa - já vos disse que sou a rainha das pechinchas, não já?) e um apartamento airbnb que tinha vista para o mar e um pôr do sol excelente que permitia jantares com uma vista privilegiada.
Desta vez ficamos 5 dias (o alojamento ficou cerca de 150€ por um apartamento inteiro) e entre passeios no parque de Santa Catarina, jardim botânico, piscinas naturais de Porto Moniz, museu do Ronaldo, passeio de barco para ver golfinhos e baleias, as vistas da ponta de São Lourenço, o skywalk (que ainda não era pago) conhecemos bem mais do que na primeira vez que foi só um fim-de-semana.
A Madeira vale a pena, nem que seja pelo calor, pelo bom tempo! Não custa levantar da cama, o que a mim é o meu tendão de Aquiles cá no continente, as roupas são sempre leves e as vistas são sempre bonitas porque se vê sempre o mar.




Para quem quer fugir ao frio vale muito a pena. Para quem quer ir ver coisas bonitas também.

Um truque que faço sempre ao reservar no Airbnb são os convites que permitem poupar cerca de 35€ o que a mim já me deu para pagar uma viagem de ida e volta à Madeira. Se quiserem 35€ de créditos em viagem, como eu faço, para ter desconto numa próxima viagem que precisem aqui vai o meu link para novas reservas no Airbnb.

Daqui a umas semanas vamos a Londres. O namorado vai dizendo que viu reportagens da crescente violência e dos crimes em londres, ora quem vê a CMTV ou a crónica criminal do Você na TV também fica com a ideia que em Portugal a coisa também não está muito famosa. Em qualquer lado vai haver crimes, violência não dá para evitar. Podemos falar do terrorismo e em como aquele português foi baleado no carro em França, mas e aqueles portugueses que foram baleados no carro em Portugal, pelo Pedro Dias, a caminho do hospital para uma consulta de fertilidade? Às vezes basta estarmos no lugar errado, na hora errada e para isso não é necessário estar só fora do país.
Ultrapassando estas desgraças todas que o meu namorado teme, Londres sempre me fascinou desde miúda, era "o" destino, "o" objetivo desde que me conheço.
Até começar a trabalhar estava fora de questão viajar, mas depois mesmo começando a trabalhar foi um destino que ficou cada vez mais longe com a questão do terrorismo. A par de ter ido a Paris, que era aquele destino que eu achava cliché e que não me fascinava, e ter adorado. A arquitetura, a imponência, a história, que depois disso temo a comparação e espero que o destino com que sempre idealizei não fique a perder.

O tempo vai ser pouco para tudo o que se pode ver em Londres e com os museus gratuitos ainda por cima, mas vamos tentar fazer a gestão para darmos uma espreitadela em tudo. Uma coisa que quero mesmo é andar no London Eye, cumprir aquele sonho de criança que olhava para aquela roda gigante e ficava estarrecida.


Pois bem, a saber... sugestões? Já tenho viagens, transferes e Airbnb reservado, por isso mais coisas que deva saber? Sítios imperdíveis? Passeios de barco, no Tamisa, valem a pena? Contem-me tudo, não me escondam nada.

terça-feira, 27 de março de 2018

A EDP a querer provocar avc's mensais

Aderi à fatura digital da EDP. Todos os meses mandam-me a fatura assim e eu tenho que clicar para abrir o documento e finalmente focar para que eu possa ver a exurbitância que vou pagar.
O pior... o pior está nesta foto desfocada inicial que se vê vários dígitos desfocados no valor a pagar e nos 30 segundos que aquilo demora a abrir ! A aflição que demora aquela espera.
Todos os meses tenho um mini-avc a pensar se aqueles números vão focar realmente e se vou ter que pagar o equivalente ao número de dígitos desfocados. "Oh meu deus, é agora que vou pagar 300€" - Isto sou eu todos os meses.


EDP, isto de assustar as pessoas não é cool.
Ou focam este documento ou ponham só em pdf, não inventem. 

segunda-feira, 26 de março de 2018

Casa de papel - a nova série


Comecei a ver imensas pessoas a publicarem que estavam a ver esta série. Fiquei intrigada mas segui com a minha vida. "Casa de papel" também não me dizia muito e pronto. Ultrapassei a situação.
O namorado começou a dizer que havia uma série que toda a gente do trabalho dele já tinha visto que nós tinhamos que ver e não sei mais o quê... perguntei qual era e ela responde-me "A casa de papel". 

Mauuuu, então mas o que é que se passa aqui? Que sururu todo é este? 
No fim de semana começamos a ver e já levamos praí 7 episódios de 50 min.
O problema é começar a ver e deixar o episódio ir até ao fim, se deixamos... está tudo estragado. Ficamos sempre colados a ver o próximo a ponto de deixarmos de ter vida. Passamos o fim de semana nisto. Olhem que já não ficavamos viciados em séries há algum tempo. 

Então qual é o tema da história? "Oito ladrões fazem reféns e fecham-se dentro da Casa Nacional da Moeda de Espanha para fazer o maior roubo da história, enquanto um génio do crime manipula a polícia para executar o seu plano." 
Eu sou esquisitinha já sabem mas a série é boa porque inclui ação sem que seja necessário cenas explicitas de violência, a certo ponto leva-nos a torcer pelos maus, os maus que não são verdadeiramente maus, são pessoas que simplesmente já não têm nada a perder, as reviravoltas fazem-nos ficar colados, a qualidade das cenas e da realização é sublime, não tem nada a ver com as nossas novelicas, nuestros hermanos fazem parecer que é uma produção norte americana.

Por aqui estamos a gostar e confesso que fico um pouco triste que já tenhamos visto tantos episódios.
Assim significa que já há menos para ver!

#Viciada. 

sexta-feira, 23 de março de 2018

Gostava de gostar de atividade física em geral

Eu gostava e (devia por questões de saúde) ser daquelas pessoas que adora desporto e ginásio e tudo e tudo. Acontece que não. Nunca gostei. Sabem aquela miúda da turma que arranjava todas as desculpas para não fazer a aula? Sou eu. Caimbrãs nas pestanas, indisposições súbitas, o que eu não arranjava para não mexer um mindinho. Tive negativa a educação física, inclusive. Ninguém tira negativa a educação física, né? Pois, sim... eu sou essa pessoa.
Pois que agora o gosto ainda não pegou, se for treinar uma semana seguida a coisa vai, se falho um dia... está tudo estragado, são mais 3 meses sem lá pôr as minhas sapatilhas fushia.
Como tal, ainda não decidi investir em roupa de desporto, daquela mesmo toda coiso e gira e tal. Amigos, eu sou do tempo em que para fazer desporto era uma tshirt da Robbialac ou das eleições legislativas de 2001 e agora deparo-me com todo um dress code, aqueles macacões que é preciso ficarmos nuas para ir a casa de banho em caso de necessidade, aquelas subreposições de tshirts só para se ficar a ver um bocadinho da camisola que é só para fazer pandan com a ponta da sapatilha.

Eu sou aquela que faz "desporto" (subentenda-se 20 minutos de passadeira e 30 minutos sofridos de máquinas) com a tshirt da MTV, do Sudoeste de 2010, que já está quase a mudar de cor. 
Eu gostava de gostar, mas eu devo ser a reencarnação de uma minhoca friorenta que faz todos os possíveis para fugir com o rabinho à elíptica.

terça-feira, 20 de março de 2018

As nossas viagens

Eu marco a viagem. Sempre e de todas as vezes parte de mim. Ele faz ar de frete, como quem diz "pronto, lá está ela a inventar outra vez, não dá para estarmos sossegados, por favor?" verbalizando-o não raras vezes, depois lá concorda comigo mas não deixa de fazer aquele olhar de quem está voluntariamente a ser obrigado. A emoção dele entusiasma. Só que não. 
Passamos esse estado de ânimo inicial, ele refere uma ou outra vez que não vai dar para poupar o que ele gostaria porque temos esta ou aquela viagem e já pagamos o hotel ou coisas que tais, eu faço de conta que não percebi que o que ele realmente quer dizer: que eu é que estou sempre a inventar.
Vamos de viagem e ele adora! Os amigos mandam-lhe roteiros, sítios onde estiveram, ele fica todo contente, leva o cachecol do Desportivo de Chaves para registar momentos e monumentos futebolísticos internacionais. Delira como eu. Sempre que está com os amigos e eles vão de viagem aconselha, sugere, uih, trinta por uma linha. 
Depois voltamos a casa. Passado um tempo a coisa esmorece. Eu volto a ver viagens. Ele faz ar de frete, como que diz "pronto o que está ela a inventar outra vez, não dá para estarmos sossegados por favor?" verbalizando baixinho de vez em quando. [And repeat all over again.]

Every single time.
Haja paciência senhores. Paciência.

Eu, como só eu...

Pois que tive que dar uma palestra.
Nervoso miudinho, a noite anterior sem pregar olho, sabia que ia estar alguém infiltrado para fazer a avaliação da mesma e reportar aos big bosses. 
Sala cheia, eu nervosa, horas de sono em falta . Respira fundo Eva Luna, respira fundo.
Comecei a fazer a chamada pelos inscritos, ainda não tinha chegado toda a gente mas fui começando.
Olho para a plateia e começo: Maria Alice? "Presente". Serafina? "Presente". Cheguei a um nome de um homem e disse em voz alta, "este salto que ainda não há homens na sala"... Pelo que uma voz se insurge e diz: "Estou aqui eu!"
Um homem de cabelo comprido e uns jeitinhos de gaja... que eu efetivamente achei que fosse uma senhora.

Era a pessoa infiltrada.

É possível que a minha avaliação seja excelente!
#Sóquenão

segunda-feira, 5 de março de 2018

Globos de Ouro 2018 - O melhor do pior


A Salma dá-me sempre um ar de Frida Kahlo, mas adiante.
Salma honey, podíamos parar já por aqui... parece-me difícil que haja pior do que isto. 
Faz-me lembrar os vestidos das minhas barbies falsificadas de quando era miúda. Juro.
Tanto potencial. Casada com um CEO riquíssimo. Sempre a mesma desilusão.



Gira que dói esta Margot mas aquelas fitas-árvore-de-natal eram escusadas


Lupita em Miss Bobadela 2018 


Nicole... Nicole... Nicole...
Fez-me lembrar aquelas embalagens de bolo-rainha... mas com um laço.


Estátua da Jane Fonda no Madame Thussaud... Esperem...
Estou a receber indicações... afinal é a verdadeira. Perdão, Jane Fonda no seu Balmaid
#jádeixavasdeoperaracara


"Então mas isto acaba tão tarde? Eu só estou cá de fugida que ainda fiquei de ir dar de comer aos meus animais"


Acho muito bem termos esta homenagem nos Óscares, já era sem tempo.
A Tiffany (quem?) num reinterpretação (em mau) das festas da senhora da agonia.
As jóias não são na cabeça, filha são no pescoço!


Diretamente, não do convento, mas sim do Carnaval da Madeira pois que chega Whoopi Goldberg.
Não sejam maus, que o aeroporto da Madeira tem estado condicionado e a senhora não teve outra oportunidade senão esperar e embarcar com o que tinha.


Quem já não teve uma colcha de cama acetinada, com padrões florais, a condizer com as cortinas do quarto. Eu já! Já as deitamos fora, mas há pessoas que não gostam de deixar estragar nada, o que querem?



Rita Moreno num abajour invertido, perdão num golden black dress.
Umas almofadas a condizer e a sala ficava ótima.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

O fim do mês

Hoje é fim do mês e recebi o meu salário. Senti-me assim:



Depois paguei a renda e as contas... e neste momento estou assim:





E ainda tanto mês pela frente...

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Dramas conjugais, que podem levar a separação:


Ter 20 pares de sapatos e morar num T1, sem arrumação nenhuma.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Dramas domésticos


Tenho uma máquina de lavar nova e fantástica. Só que não. Nova é, fantástica é que nem por isso.
Ela reconhece as minhas melhores roupas e rasga-as na lavagem. A sério, já é a terceira vez que me rasga roupa. Podia ser um pijama, roupa de andar por casa ao domingo na ronha, a do namorado sei lá, mas não, rasga a minha e a melhor. Já me rasgou a minha melhor camisa, o meu melhor blazer e agora uma blusa branca que eu adorava. Fico mesmo triste. Assim fica difícil.

Fico cega. Estou a uma écharpe de a desfazer ao pontapé.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O glamour do meu dia dos namorados


Comecei a madrugada a vomitar, jantei uma sopa que às 3 da manhã voltou a ver a luz do dia, perdão... da noite. Pelo menos se fosse uns chocolates ou umas francesinhas agora uma sopa? Uma sopa? Não entendo, os deuses bulímicos estão contra mim, só pode.
Não deixei dormir o namorado praí até as 5 da manhã, senão mais. É sempre um bom começo. 
Hoje, de manhã, em jeito de celebração refinada e glamorosa ofereci-lhe... uns chinelos de quarto, txarããã! Que por acaso lhe são pequenos e que vão para trocar.
Como tenho um estômago sensivelzinho, se calhar não é boa ideia me meter em jantares pesados, uma vez que a memória desta noite está ainda muito recente, o que inviabilizará provavelmente o típico jantar fora.

Vantagens:
Não vamos pagar o dobro por um menu só por dizer "lombinhos apaixonados".
Vai dar o Porto.
Vou estar com o namorado. Que está comigo sempre e que me vai preparar mezinhas caseiras durante a madrugada, mesmo sem eu pedir, o que no fundo me diz bem mais do que pagar um jantar caro ou umas flores que vão morrer em alguns dias.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

[As redes sociais]

As redes sociais são apenas uma faceta das nossas vidas. Normalmente a melhor, mostra as viagens, os restaurante, os outfits, as prendas, os namorados, os carros, os brunches.
É por isso que sigo as redes sociais mas gosto de blogs. Gosto de blogs em que se mostra as coisas boas mas também se desabafa, se mostra as fraquezas.
A vida não é bem aquele glamour do instagram onde só está o que nos favorece. Preocupa-me que a nova geração cresça com esta pressão de mostrar quais as vidas mais perfeitas, quando sabemos que isso não existe.


Sapatilhas brancas


Como já sabem sou um bocado avessa às modas que fazem toda a gente andar de "igual" mas uma coisa que gosto são sapatilhas brancas. Tenho 2 pares e são confortáveis, práticas, ficam bem com quase tudo. Definitivamente, para mim, vieram para ficar.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

A família aumentou


Quando a vi, pela primeira vez, percebi que a minha vida ia mudar para sempre.
Quando a tive nos meus braços ela estava ainda cheia de papéis protetores, afinal tinha acabado de a dar à luz de uma caixa gigante da Michael Kors, oferecida pelo namorado.
Agora a vida mudou e as responsabilidades aumentaram. Sei que vou passar o resto da vida preocupada, "será que se sujou?", não vou poder colocá-la no chão nem raspar com ela na parede quando estiver na garagem a tentar entrar para o carro. Um novo mundo de preocupações, mas também de alegrias. Tenho também que agradecer ao namorado que a ajudou a conceber, com o seu visa electron, e a todas as pessoas (sobretudo amigas) que souberam e que ainda agora me vão felicitando pelo sucedido. É uma alegria incalculável e não dá para descrever, só passando por isto.

Obrigada namorado, obrigada.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Balanço dos saldos

De modos que tem sido uma desgraceira. Ah não vamos comprar nada diziamos nós... "Vou entrar nesta loja mas já sei que não há nada para homem" diz ele ao entrar na Pull&Bear e sai de lá com toda mas to-da a colecção de sapatilhas em saldos. Toda amigos, toda.

Eu limitei-me a um par de sapatilhas com pompons... Após o mini Avc que lhe provoquei ao mostrar as sapatilhas tranquilizei-o logo ao tirar os pompons. Tanto de homem como mulher as sapatilhas estão a 7,99€.


Saldos Pull 7,99€


Um oversize blazer

Saldos Pull&Bear 9,99€



Saldos Stradivarius 3,99€ (comprei em preto, rosa e branco)


Umas calças estampadas que iam provocando outro semi-avc ao namorado
Saldos da Stradivarius a 12,99€ e que agora estão a 5,99€ 
(Só já não fui a tempo de comprar estas pantufas felpudas para usar com as calças. 
Uma pena. Uma pena...)


terça-feira, 16 de janeiro de 2018

A internet é um mundo estranho.


Eu tenho um amigo, da minha idade, que tem a vida organizada, vive com a namorada e com a cadela, já partilhou várias vezes que não tem interesse em ter filhos, mas trata a cadela como se fosse uma. Várias vezes chega perto das pessoas a dizer "já viste tão gira a minha cadela?", "comprei-lhe um laço novo!". Nota-se a estima que tem pelo animal. 

Nas férias ele estava a passear com a namorada, parou perto de um parque e saiu do carro. Rapidamente um indivíduo chega perto dele e lhe pergunta "viu o que fez? isso não se faz!". Ele ficou meio confuso, sem perceber aquela conversa. O senhor estava a acusa-lo de ter abandonado um cão, que andava por lá. Após explicar que nunca tinha visto o cão o senhor não se convenceu e resolveu tirar uma fotografia ao carro dele e postar no facebook que "o dono daquele carro tinha abandonado um cão".
A publicação teve 10 mil partilhas, inclusive de associações de proteção dos animais e tudo mais. Ele percebeu quando amigos dele também partilharam a publicação. E estava ali... a acusação, o carro dele, a matrícula, o nome do pai e morada (que através da matrícula conseguiram obter), quinhentas ameaças que "devia morrer" ou "ser abandonado também" ou que "lhe iriam desfazer o carro" quando ele estava inocente e pior... trata os animais como muitas pessoas não tratam outras pessoas. 
Teve que fazer queixa na polícia contra o indivíduo que fez a publicação para sua própria proteção e também do carro, pagar 50€ ao advogado e acatar o receio de alguém poder querer fazer-lhe mal ou à família.

Ás vezes achamos todos que as redes sociais não são bem um coisa "a sério" que podemos falar sem filtro, que ao partilharmos uma publicação estámos a ajudar uma causa, mas imaginem a confusão que ficou a vida dele só por causa de uma publicação. Todas aquelas pessoas que a partilhar acharam que iriam ajudar a condenar um culpado mas estavam, na verdade, a condenar um inocente. 

E como ele diz: "cuidado, pode acontecer a qualquer um de nós."

Antes de destilarmos toda a fúria escondida dentro de nós, antes de insultarmos gratuitamnte  acharmos que somos melhores que os outros ou que temos todo o direito em partilhar a nossa opinião, devemos pensar: mas somos absolutos conhecedores do que aconteceu? Devemos parar e agir nas redes sociais como somos na vida e pensar que qualquer situação mal interpretada podemos ser nós a estarmos a ser julgados por milhares de pessoas, estando inocentes.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

...


Sou pessimista por natureza, digo sempre "realista" mas é apenas para amenizar o que sou mesmo, que é pessimista. Acredito sempre que se contar com o pior será sempre mais fácil lidar com o melhor, que se fizer a conjuntura a partir do princípio que o pior cenário acontece será mais fácil gerir objetivos, metas e, inclusive, expectativas.
Não sou de criar ilusões, nunca me deram nada de forma fácil, os meus pais não têm uma empresa que eu possa tranquilamente gerir, não sonho com o euromilhões porque sei que se não trabalhar dificilmente conseguirei ter aquilo que pretendo e até que, por muito que trabalhe, talvez nunca o venha a ter. Sou a primeira a ponderar as dificuldades em todas as situações, o que pode correr mal, o que há risco de poder comprometer os planos e o que temos que estar cientes, o que às vezes é entendido como "nunca concordar com nada". Não se prende com concordar ou não, prende-se em levantar os pontos críticos para, caso aconteçam, já nos conseguirmos ajustar melhor, uma vez que já foi um cenário equacionado. Jamais correria um risco que colocasse em causa o que considero melhor para mim.
Tudo isto corre bem quando há um outro lado que nos equilibra. O yin do nosso yang. Aquela metade branca que nos equilibra dentro do nosso cenário escuro, que nos questiona "e se correr bem?".
Contudo, quando há duas pessoas a questionar "e se correr mal?" ai amigos, fica difícil.

Apesar de ser pessimista não sou catastrofista. Sei que tenho que ponderar o bom e o mau, ter em conta como o mau me pode afetar, mas seguir a minha vida e não ficar presa a cenários que ainda nem sequer aconteceram.
O meu namorado fala-me sempre "vês, como não temos estabilidade" só porque 3 pessoas na empresa dele foram retirados daquele projeto, apesar de permanecerem na empresa. Para além de pessimista, também costumo ser coerente. Eu sei que não há empregos para a vida. Nem a geração antes de mim teve, não estou à espera de eu ter. O meu pai trabalhou em várias empresas diferentes e foi despedido aos 60 anos, a faltar 6 para a reforma, e sem ter qualquer hipótese de voltar a trabalhar. Instabilidade vai haver sempre. Talvez aos 66 aí se consiga ter essa estabilidade, aquele cheque no fim do mês garantido, no metter what, isto a termos sorte. Agora não posso é definir ou planear a minha vida só a partir do momento em que tiver estabilidade, porque nunca vai ser o momento ideal. Já passei por 3 empresas diferentes e entendo que o meu futuro também não será nesta atual. A vida é assim, não posso é ficar condicionada e paralisada pelo medo porque se todo o pior acontecer, se perder o emprego, ainda sei servir às mesas, se vou 1 vez jantar fora por mês deixo de ir, se vou viajar 2 vezes por ano deixo de ir. Se não tiver um BMW como os vizinhos do lado também não será isso que me deixará menos feliz. Adapto-me, ajusto-me. 

Darwin diz que o ser vivo que mais tem capacidade de resistir é aquele que melhor tem capacidade de se adaptar. Não é o mais forte que resite, é o que melhor se adapta.
O cenário que aterroriza o meu namorado é não ter estabilidade no trabalho, levante a mão que a tem. "Preciso de ter mais estabilidade, pelo menos um pouco mais" O que é estabilidade nos dias de hoje e o que significa "pelo menos um pouco mais". Nunca estámos estáveis o suficiente, o meu pai foi despedido com 20 anos de empresa, se calhar aos 15 ele achou que tinha "um pouco mais" de estabilidade e não significou que 5 anos depois não fosse despedido. Se os meus pais tivessem à espera das condições ideais provavelmente eu e o meu irmão não teríamos sequer nascido.

As contrariedades fazem parte, olhar o futuro e ser-se cauteloso é natural, mas ficar paralisado e aterrorizado com algo que não conseguimos controlar é frustrante para mim. Apesar de qualquer cenário terei que dar a volta por cima, vou ter que continuar a viver a ter que trabalhar para pagar as contas, fazer o que for preciso. O que ele não entende é que, na minha condição de pessimista, isto apenas me faz ainda mais descrente e muito menos animada com o futuro à minha frente.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Globos de Ouro 2018

Eis o top dos tops, o crème de lá crème e as categorias sããããão:

Categoria
"Está frio, o que eu queria mesmo era ter ficado em casa, mas fui arrastada para aqui... "


Alicia Vikander não fiques triste filha, pode ser que te consigas escapar cedo...




Categoria
"Levei o conceito de open bar demasiado a sério"


Por favor, deixem de levar Cosmopolitans para aquela mesa sff...  





Categoria
"Podia ter corrido bem se eu tivesse ficado sozinha na fotografia"




Deixem lá para o ano há mais...





Categoria
"Parti o salto à última da hora e tive que me desenrascar"


Tive que calçar os sapatos da Kim, ninguém nota que são 2 tamanhos abaixo do meu, certo?


Ninguém me arranja um par de sapatos iguais? Não? 
Pronto olha, pode ser que ninguém repare, descalça é que não vou...


Ir de sapatos aberto com este frio?  Nem pensar, vou vestir as meias por cima dos sapatos a ver se  fico mais quentinha.





Categoria
" Ainda dizem que o preto emagrece... ahram"


E quem não queria ter as ancas a parecem ter o dobro do tamanho, não é Grace?
Este outfit consegue-o na perfeição. 


Como ter o dobro das ancas em 3...2...1!


O preto emagrece, nem me vou preocupar a experimentar o vestido antes, de certeza que é uma boa aposta... Ups... 






Categoria
"Tenho que mostrar isto enquanto posso que eu já não vou para nova"




Pensei que ia ao evento da Intimissimi, afinal são os Globos, ups..






Categoria
"Pós- Lipo Adelgaçante take #341"


Depois da minha mais recente lipo estou a adoptar um método fantástico para manter o peso perdido, tenho uma faixa mesmo no meu pescoço que assim sempre que coloco alguma coisa na boca aquilo aperta e eu sou obrigada a cuspi-lo. Tem sido super fácil manter o peso assim.







Categoria
"Num vestido preto eu nunca me comprometo"

Excepto se for numa reinterpretação mal sucedida de uma sevilhana viúva...

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

...

Um amigo meu vai ser pai... de gémeos.
Para quem em Agosto me disse que não tinha pressa nenhuma de ser pai... agora tem que planear a vida a 4.

Eu em conversa com ele:
Eu:
Levaste aquela música do verão muito a sério...
Ele: Qual?
Eu: A "felices los 4"
Ele: Não, não foi essa... foi a dos AC/DC
Eu: Qual?
Ele: Highway to Hell...


Ups...

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Ah, o Natal


Ontem endrominei um plano para embrulhar a prenda do namorado sem que ele estivesse em casa.
Tive todos os cuidados, retirei o papelinho do preço, selei a caixa do presente, fiz um embrulho reforçado à prova de espreitadelas ocasionais,  coloquei o presente na árvore, escrevi o nome dele com um coração e depois tive que me despachar porque estava na minha hora de almoço.

Horas mais tarde vem-me à ideia, sabem aqueles insights, aquelas espécies de epifánias e veio-me à ideia que não havia registo cerebral de eu ter deitado o preço fora... e que havia alguma (muita) probabilidade de eu o ter deixado num sítio super discreto... tipo em cima do sófa...
Respirei fundo e pensei: "Calma, se o namorado tivesse visto alguma coisa já me tinha dito".
Mal eu abro a boca a dizer: "Acho que me esqueci de alguma coisa" e pergunta-me se estou a falar do papel do preço. Pois...

No outro dia estive com uma pessoa que me estava a dizer que ia voltar para uma consulta comigo no dia a seguir. No final desejei à pessoa "então feliz natal"... perante o ar confuso do senhor tentei compor com um "se não nos virmos"... Tipo... não Eva Luna, não... o senhor tinha marcado... enfim... não vale a pena.

Eu ofereço-me para estudos, a sério.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Eu digo sinceramente...

Estou na minha luta de sempre... a tentar perder peso.
Tenho tido uma força estóica mesmo quando o namorado só sabe levar para casa bolas de berlim, pastéis de chaves, pão de deus, batatas fritas... Tenho resistido sempre de forma tranquila.
Andei uma semana a comer pescada, sopa, tirei o pão, tem sido uma alegria.
Ontem ao pequeno-almoço comi um iogurte, ao almoço comi uma sopa + prato, à tarde comi uma maça e 4 bolachas treinei (gastei 500kcal) e depois comi uma sopa...

Hoje tenho mais meio quilo que ontem!!!!! True Story!

Aquele abutre que eu tenho em casa enfarda pastéis de chaves como se fossem M&Ms e se for a isso no dia a seguir tem menos 200gramas.

Eu digo sinceramente...

sábado, 18 de novembro de 2017

Taquicardias de domingo

Estes últimos fins de semana acumulamos uma ida ao Ikea, Matrizauto e OKsofas.
Mas com alguma finalidade perguntam vocês?
Não, nenhuma, nós é que somos masoquistas e gostamos de ir apreciar coisas que não vamos comprar.
Depois dessas voltas todas não há como não ficar semidepressiva.
Começo a pensar que se comprássemos aquilo que um início de vida precisa (casa, carro, móveis) que ficávamos endividados até aos 60 anos, que é coisa para me dar falta de ar.
Pudera que haja tantos divórcios, já viram o peso que isso soma a uma relação?
Enfim, custa a dar esse passo mas também custa viver numa casa arrendada e dar dinheiro por algo que sabemos que nunca vai ser nosso, que é dinheiro que nunca vamos recuperar. Sabemos que quanto mais tarde isso acontecer até mais tarde temos um empréstimo para pagar. Depois vem a questão do carro... Não temos um carro que nos permita fazer viagens como ir a casa dos pais. Na sexta vim a casa dos meus pais. Tive que sair às 16h para apanhar um comboio que atrasou 30 minutos, que me fez perder 2 ligações e esperar uma hora pela próxima viagem. Ao apanhar a segunda ligação o comboio atrasou mais 20 minutos.
Em Campanhã comprei um boletim do Euromilhões... afinal ia dar uma história engraçada: o comboio atrasou, tive que esperar em Campanhã e vai na volta comprei um boletim do Euromilhões e puff fiquei milionária - não aconteceu e assim foi só chato e muito desagradável. Começamos a já não ter muita paciência para este tipo de coisas, mas pronto.
Somando que ainda nem sequer casamos e essa conta é outra conta que sabemos que não fica nada barato.
Estamos a adiar vários tipos de decisões mas Cristo, se já passaram por isto, como é que vocês conseguem lidar com isso sem ter uma sincope? É que cada vez que penso nisso dá-me uma taquicardia...

sábado, 4 de novembro de 2017

Este foi o meu espanto...

scared jim carrey GIF

Ao ir ao Continente e ver uma fila interminável de pessoas à espera para embrulhar presentes.
Ainda só estamos em Novembro, certo?
Eu atrasei uma hora no relógio mas estas pessoas parecem que adiantaram 1 mês.

#Assustada

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Sem palavras


Ontem tivemos que percorrer 1 terço do país porque fomos de fim-de-semana a casa dos pais do namorado. Percorremos cerca de 250kms e ardia a cada concelho e distrito que íamos passando. Coincidência, não? Quase que parece que existe uma rede organizada que decidiu espalhar a devastação.
Um cenário dantesco. Um horror, que eu nunca vi igual. 

Andámos quase sempre em auto-estrada e vimos arder mesmo ao lado.
Percebemos que se ardessem dos dois lados qualquer pessoa que fique encurralada pelas chamas não tem grande opção. O que fazer? Parar no meio da auto-estrada e levar com um carro em cima? Avançar é um risco enorme que muitos filmaram. Uma sorte os pneus não rebentarem com o calor e as pessoas ficarem no meio daquele inferno. Voltar para trás? Numa auto-estrada é impossível, mesmo em necessidade de salvar vidas seria suicídio.

Nós, que seguíamos na A1, passamos por meia hora de para-arranca para sair, uma vez que fecharam a estrada mas felizmente fizeram-no a tempo. Não quero imaginar o que sentiram aqueles podiam ter morrido nesta estrada, por falta de a terem cortado. O local onde isto aconteceu foi logo depois do sítio onde saímos e já de noite, como nós.

Temos que estar gratos, por não nos ter acontecido nada, mas revoltados porque aqueles podíamos ser nós e porque NINGUÉM devia passar por aquilo. Para receberem o dinheiro das portagens estão todos disponíveis, mas para evitar estas coisas já não está lá ninguém. É uma vergonha! Passar e pagar numa estrada para morrer, sem que tenham o mínimo de cuidado para com a nossa vida! Estes condutores deviam ser pagos e bem pagos pelo risco que corram, não que isso diminua o que passaram mas para que estas entidades assumam responsabilidades! 

Flickr Images