domingo, 6 de agosto de 2017

Festival Sudoeste


Ontem terminou mais um Sudoeste.

Eu também já fui ao Sudoeste quando não tinha que fazer ao dinheiro era mais nova.
Ahhh, parece que ainda me lembro do cheiro a erva entusiasmo no meio da multidão. 
Parece que foi ontem que lá estava, lembro-me de olhar para o lado e só ver putos de 14 anos festivaleiros a beber e a fumar ganza em grandes patuscadas. 
O que eu gostei de lá acampar.. o mais giro era quando íamos tomar banho e chovia antes... Epá, que sensação espectacular a de chegar a tenda enlameados e sujos frescos e revigorados.
Ahh, o turismo de natureza... as saudades de abrir latas de atum preparar refeições com os amigos.
Nunca mais me esqueço do fantástico Intermarché de campanha, que lá estava montado, onde éramos assaltados íamos às compras. Saudades da água mineral benzida que lá comprei e bebi.
A 5€ por um garrafão de água estou certa que se tratou de água mineral benzida pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Portugal, no ano 2000.
Enfim, saudades das pequenas coisas, como acordar às 6 da manhã ao som dos filhos da p#6y a gritar "alvorada"  passarinhos.
Saudades de entrar à pinha ansiosa nos autocarros para ir até à praia.

Enfim, bons tempos.

sábado, 29 de julho de 2017

Pechinchas é comigo...

Eu posso auto-intitular-me rainha das pechinchas.


Desta vez, numa visita à H&M trouxe este pequeno pela modica quantia de 3,99€, sendo que há uma versão rosa claro que estava a 2,99€. 
Se podia passar por ele, se estivesse sem desconto, sem lhe ligar nenhuma? Sim, era provável. 
Se eu podia deixar de o comprar sabendo que ia ter um vestido para o batizado do meu sobrinho por 3,99€ que vai ser já no próximo mês? Não, evidente que não.
Nossa, tenho horror a pobre. 
São tudo boas notícias? Não, não são... Só havia o XL daí o preço do vestido, mas vou mandá-lo apertar e penso que é algo simples porque o vestido tem um corte direito e a coisa dá-se. Só espero que o arranjo não me saia mais caro do que o próprio vestido. 

A ver. A ver. 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Do casamento

A pedido de várias famílias eis o modelito by H&M, o penteado by cabeleireira da sogra e a clutch by OLX).


terça-feira, 11 de julho de 2017

Atualizações

Ora... ora... ora...


O tal casamento que eu tinha já aconteceu. Levei um vestido H&M cor salmão clarinho, comprido, que sujei com batom vermelho assim que pude. Uma classe.

O alisamento que fiz já perdeu o efeito ready-to-go ou seja o "efeito não precisas de fazer nada que ele fica incrível e magnífico na mesma". Voltei à prancha de alisar, mas é facto que está muuuuito mais disciplinado, mais fácil de alisar e tem menos volume que antes que também era o objetivo. Não fica fora de hipótese repetir no futuro a ver que consigo dominar esta juba magistral.


Comecei a dieta e o treino com 61,7Kgs e estou com 60,1Kgs. Não tem sido um processo fácil e muito menos rápido, mas hei-de lá chegar. 

Voltei ao ginásio e tenho um andar engraçado do treino de ontem. Vamos ver quanto dura. A alimentação anda irrepreensível tirando o casamento que comi normalmente (ou seja sem cuidados... quem manda o almoço ser às 17h da tarde? Não há heróis que aguentem).

A minha epifania de manter uma alimentação (ainda mais) cuidada e treinar veio mais do "positivo" do meu teste genético para a tal doença que vos falei mais do que qualquer necessidade extrema de perder peso. Acho que o meu namorado ainda não captou isso, mas tudo bem. Ele está focado no quão mais peso eu posso perder. Um fofo.

Ainda não fui de férias, como pode comprovar o meu semi-bronze de apenas 2 ou 3 dias de praia até ao momento e o meu estado anímico que quem dormia aqui um sono encostada ao móvel dos consumíveis num piscar de olhos. O que vale é que nas férias vou para um resort incrível com "vista para o mar" nas baleares. Puufff é mentira, vou ficar por casa, mas também ninguém precisa de saber.


São estas as novidades.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Esta vida tem assim umas coisas estranhas...

Um dos meus pacientes(?) clientes (?), ou seja lá o que quiserem chamar, faleceu.
Tinha quase 40 anos mas uma energia de 20 e um aspecto de 30 em plena forma. Simpático, alegre, bem-disposto e volta e meia saia das consultas tão contente que irradiava luz, sempre com um sorriso largo.

Numa sexta-feira vi-o fora do contexto das consultas e como sou meia envergonhada nem lhe disse nada. Acabei por fintá-lo sem lhe falar. No sábado ele faleceu num acidente de automóvel.

Ficou o choque, era tão cheio de vida, tão alegre, que é um contra-senso. Pelo que percebi tencionava ser pai, foi reconhecido no seu trabalho pelo seu mérito, recebeu uma medalha e assim de repente, faleceu.

Eu nem lhe disse nada. Ficou a certeza que devemos deixar de viver só para nós próprios, do alto da nossa vergonha ou arrogância e que faz sentido olharmos para quem nos rodeia e agirmos sem complexos, para que nada fique por dizer.


Não vá de, por um infortúnio do destino, ser a última oportunidade.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

O casamento - a saga




Vou ter o casamento na terra do namorado, que é para lá de onde cristo perdeu as botas.

Unhas: check
Vestido H&M: check
Menos 3 Kgs para caber no vestido: Not Yet...
Clutch: Comprei uma no OLX. Ando uma agarrada que só visto. E nem assim é sinal que me sobrem fortunas no fim do mês.
Cabeleireira: Uiii, aqui mora o problema. Não conheço cabeleireira nenhuma que não a da mãe e avó do meu namorado... Para marcar noutro sítio tinha a minha pseudo sogra a perguntar porque não ia à dela...  Pois...
Como fica mal dizer: eck não vou a essa cabeleireira porque há sinais que ela parou de se atualizar no inícios do século 19 e os seus penteados e cortes datam da época que a nossa corte fugiu para o Brasil lá tive que aceitar as circunstâncias e marcar para a tal senhora que quer que eu esteja lá às 7h da manhã. Oi? Eu não sou a noiva, certo? Ela provavelmente não percebeu bem isso...

Depois a senhora disse-me para ir à sua página de facebook ver os seus trabalhos e escolher qual deles gostava mais.. bem.. eu que já sabia que a senhora não dá para muito e já ouvia os comentários das pessoas que lá iam, mas ao ver as fotos fiquei petrificada.
Não têm ideia e só não coloco aqui por uma questão de respeito. Pronto, é o trabalho da senhora, mas amigos... é mau... é mau. É o síndrome: cabeleireira de terra pequena que só tem que trabalhar com a mesma clientela de sempre, +50 anos e que nunca precisou realmente de se ir adaptando. Como eu sou uma esquisita de primeira estou a ver que a coisa não vai ser fácil. O pior de tudo... eu sou péssima a disfarçar, mas pronto vou ter que aprender a dominar essa arte. Já mostrei as fotos dos penteados que a senhora tem no facebook a amigos nossos e as pessoas riem-se desalmadamente,  desejam-me "boa sorte" e que mal podem esperar para ver o que me vai calhar na rifa. Obrigada... amiguinhos. 

Vamos pensar como a minha mãe que só me diz: Não te preocupes filha, tudo te fica bem. É isso aí mãe, é manter esse espírito.

Vai correr bem... Cof! Cof!

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Então Eva Luna, como vai essa dieta?

Se a eu perdesse o peso equivalente à fome que tenho já tinha menos 5kgs.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

O resultado do exame


No mês passado fui fazer um teste genético, para uma doença descoberta recentemente na minha família. Ontem fui saber o resultado:

Positivo para a mutação da doença.
A médica foi contra eu fazer o exame, disse que passámos o resto dos nossos dias com medo, ansiosas por algo que pode nunca acontecer. Acho que prefiro saber. Ao saber a notícia a minha mãe chorava e eu ria-me, não sei muito bem porquê.
Apenas 5 em cada 100 pessoas têm a mutação. Não há muito que possa fazer, posso ter a mutação e não se manifestar a doença, mas uma vez que se está a manifestar na minha família próxima e eu tendo a sorte que tenho,  convenhamos... é de mim que estámos a falar... é óbvio que um dia mais tarde isto vai voltar para me assombrar.

Enfim. Consigo imaginar tanta coisa gira para me deixarem de herança: Uma quinta no Douro, uma coleção de Louis Vuitton, jóias de família do século XVII, um plafon enorme para poder ir viajar e pronto deixam-me isto...


#Cadauméparaoquenasce



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Não dá para falar noutra coisa

Ninguém pode dizer que não preve os incêndios florestais no verão. Ninguém pode dizer, sobretudo os Governos que vão tomando posse é: "ahhh, por esta é que não contávamos" .
Com origem natural ou por acção humana é algo tão previsível como o dia nascer.

Quem anda muito de comboio ou avião constata o evidente:
Somos um país de matas, onde em todo o lado há um pedaço de terra ao abandono repleto de ervas e arbustos secos, prontos a arder. Como viajo muito de comboio gosto de olhar como se fosse uma turista e fico perplexa com a quantidade de lixo, matas, arbustos perto das linhas do comboio e das casas prontos a arder. É feio e, mais importante, é perigoso.

Ao andar de avião fico sempre admirada com o ordenamento do território dos outros países. Juro que é algo que me fascina. As florestas estão limpas, os terrenos parecem divididos a régua e esquadro, há sempre boas àreas de acesso, no caso de ser necessário chegar eficamente ao centro da mesma. Eu sei que não têm o nosso relevo, mas é uma preocupação diferente que se vê, um planeamento que é evidente. São Miguel foi outro exemplo de civismo e ordenamento aqui bem perto.

Estámos todos os anos a queixarmo-nos do mesmo. Dos bombeiros, das vítimas, das tragédias, das casas ardidas, mas e políticas para, efetivamente, mudar isso?

Há uma petição para que os reclusos limpem as florestas, eu considero que devíamos fazer mais. Criar bolsas com subsídios para voluntários, desempregados que auxiliem nas limpezas das matas, pessoas a receber o RSI (e que me desculpem o preconceito) que estão muitas vezes sentadas nos cafés, voluntários. Pagar um serviço prestado, um bem comum em prol da comunidade, atuar na prevenção. Não precebo como não há dinheiro para essas medidas mas depois há para os combates aos incêndios.

Políticas precisam-se.
Já chega de ficarmos surpreendidos por estas tragédias, quando sabemos que são eminentes. Para não falar no dever cívico de limpeza das propriedades. Querem dinheiro para financiar essas bolsas? Cobrem multas a quem é proprietário e não cumpre o seu dever. É proprietário e não tem condições de limpar? Devia solicitar a essas equipas um valor para prestar essa limpeza que tivesse em consideração os seus rendimentos.
Sei lá, não faltaram medidas ou ideias, mas acho que é preciso morrerem 62 pessoas para que se entenda que esta não pode ser uma preocupação sazonal, que este tema não pode morrer quando chega Outubro. É preciso agir, senhores governantes, agir!    

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Metabolismo, esse judas


Até há uns anos eu só tinha um conceito de dieta: Comer tudo o que me apetecesse, quando quisesse.

Ahhh, bons tempos.
Um gelado familiar numa tarde, enquanto via um filme: Check.
Um pacote inteiro de bolachas digestive enquanto estudava para um exame: Check.
Snack da meia noite com croissants, fruta e sumos: Check.
Sempre o mesmo peso na balança: Check. 
Era uma alegria.

Por hábito familiar e depois mesmo vivendo sozinha nunca me socorri de fritos. Óleo é uma coisa que não tenho em casa e refeições pré-preparadas também não. Molhos tipo ketchup ou maionese também nunca foi hábito e sempre foi pacífico manter essa rotina alimentar, mas nunca me privei ou deixei de comer nada por pensar: "Ena, estas calorias davam para alimentar um elefante."
Comia e pronto.

Com o somatório dos aniversários, a profissão sedentária, com o peso a subir e a teimar em ficar veio a contatação evidente: 
O meu metabolismo ficou cansado. Eu percebo, coitado. Com esse cansaço vieram 5Kgs que não me pertencem: "Xô, sai deste corpo, este corpo não te pertence".
Eu percebo que  o metabolismo se altera e que o peso se ajusta à idade e acho irónico quando as pessoas me dizem: "Eu tenho 80kgs mas eu ja pesei 55Kgs e esse é que é o meu peso ideal". 
Obrigada, eu também já pesei 35kgs!!! Mas foi há 10 mil anos atrás. Era irreal querer pesar outra vez 30kgs.

Eu não quero ter ilusões irrealistas, eu sei que o corpo se adapta e sei que há determinadas metas que são irreais. Ou então não. Por isso mesmo dos 5Kgs que ganhei em 2 ou 3 anos desafiei-me a perder 3Kgs em 3 semanas.
Claro que não é fantástico fazer escolhas e estar sempre condicionada, mas também não é incrível vestir um vestido e odiar, ter umas calças novas e não apertarem. Se eu não travar isto, vou parar quando? Quando tiver mais 10Kgs? Aí vai ser mais difícil. 

Espero conseguir. Daqui a duas semanas dou novidades. 

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Sabem quando...

Querem ajudar alguém e acabam por piorar toda a situação?
Aconteceu-me ontem e o meu estômago ainda anda às voltas. Not fun.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Vestidos, vestidos, casamento à vista



Vou ter um casamento daqui a 1 mês.
Um casamento de uma amiga do namorado. Amiga provavelmente é uma expressão forte, cresceram juntos - diz ele, mas já não têm grande contacto há anos, pelo que percebo.
Yupi! Super entusiasmada a ir a um casamento de pessoas que não conheço! (Not!) Ainda resisti, mas o namorado acabou por levar a melhor. Começo a pensar que o dinheiro para o casamento dava assim para umas férias mais simpáticas, mas isso sou eu que sou uma agarrada.
Como tal não tenho vestido, já dei uma vista de olhos e ainda não vi nada que me falasse ao coração. "Então Eva Luna mas não tens nada lá em casa que possas usar?" Tenho, já não tenho é o corpixo que tinha quando as comprei.
Normalmente é sempre assim, quando não tenho absolutamente nada até encontro coisas que gosto, mas depois não faz sentido comprar um vestido de cerimónia quando, no que toca a festividades, só há o som de grilos no horizonte, mas depois quando preciso é uma dificuldade. Estou mesmo a ver.

Alguém sugere algum trapinho, alguém viu numa Zara, numa Mango, numa loja por aí um vestidinho assim que vos aqueça a alma? Uma coisinha usável, que não me pareça ter 56 anos, mas também que não pareça que saí da praia? Nestas coleções, às vezes, é difícil. 

O casamento vai ser na terra do namorado, o que faz com que se eu não for arranjadinha as velhotas digam: "Olha é o filho da X, com a namorada... coitado, podia ter arranjado uma coisinha melhor". Vá, ajudem-me :)

Vou dando novidades, mas temo que não vá ser muito fácil.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A sorte do meu namorado...

Namorado: Olha podíamos pedir a isenção da tarifa audiovisual da EDP.

Eva Luna: Ai dá? Não sabia... 
(no dia seguinte) 
Olha estive a ler e a isenção é só para consumos anuais de menos de 400kw... Estive a ler os critérios e nós não nos enquadramos nem de longe, para além do mais se tivessemos o processo era automático...

Namorado: Pufff, sabes lá, eu sei muito bem que dá, ainda no meu trabalho tive a ver isso e dá sim senhor... Pufff "andaste a ler", "automático"... sim, percebes muito disso... tem que se requerer, não é nada automático, então eu não sei.. 

Ligo para a EDP, fico um tempo infinito à espera e ao explicar a situação o senhor ri-se na minha cara a perguntar quem raio me tinha dito isso. Que só estão isentos consumos inferiores a 400kw/ano e que é uma isenção automática.

Ah bom... caí para o lado com a novidade que o senhor me deu.


Teimoso, hein? Às vezes da-me vontade de atirar o meu namorado teimoso com oum raio da janela.


A sorte dele é morarmos no rés-do-chão. 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

#Prayisnotenough

Estive em Manchester há pouco mais de meio ano, como vos contei.
Antes da viagem fui ao site do Manchester Arena ver a lista de concertos, mas não havia nenhum nas datas da nossa viagem, mas se houvesse era, naturalmente, algo que estava em opção.
De Manchester trouxemos a imagem de civismo, de respeito e de bom acolhimento. Sentimo-nos sempre seguros, o mesmo não se pode dizer de Paris, de Amesterdão. 
Ver as imagens, ver os relatos, os feridos é assustador.
Para a nossa família ainda deve custar um pouco mais, o medo de que podíamos ser nós, o pensamento que viajar é um risco, que esta "nossa mania" pode ser uma ameça à nossa segurança.

Não me tiram a vontade de viajar, de ir, de conhecer, mas quanto mais conheço do mundo mais me entristece perceber que há tanto para fazer neste mundo, coisas tão bonitas para ver, para experimentar e que há pessoas cuja única finalidade que têm na vida é fazer os outros sofrer, é causar o mal.

Não sei como se combate as loucuras e as atrocidades que passam na cabeça de certas pessoas mas creio que temos que fazer mais.

Rezar por Manchester, pelas vítimas não é suficiente. É preciso fazer  mais para que parem de morrer inocentes.


segunda-feira, 22 de maio de 2017

Globos de Ouro 2017


Categoria: "Fui à praia e como me chamaram à pressa para ir para Os Globos só tive tempo de me enrolar num páreo" 
  

Estava tão bem a apanhar banhos de sol na praia da Quarteira... Foi tudo tão de repente que nem tive tempo de ir à cabeleireira. A minha sorte foi ter este páreo que comprei na Intimissimi senão nem sei o que seria...



Categoria: Vou ser tão inovadora que aposto que vou ser a única com a roupa interior à mostra.





Da coleção que resolve o problema das mulheres: Fatos de banho que escondem a celulite.



Categoria Disney 


Lobisomem - O filme


A noiva do Conde Drácula. Sinto que a qualquer momento ela vai mostrar os caninos afiados e que naquele vestido ainda moram resíduos de ADN fresco.


A mãe da pequena sereia no dia do casamento da filha



 Categoria: "Finalmente consegui voltar a usar o outfit que só tinha usado uma vez, no casamento da prima da minha mãe em 1984. Aposto que já ninguém se lembra e assim poupo uns trocos valentes."




Categoria: Já sou gira que dói, era injusto para as outras aparecer aqui bem vestida...


4 Camadas de folhos, por si só, não eram suficientes...


Ainda dizem que não se compram coisas giras nos saldos...


Categoria: "Sabem quando nos fartamos de escolher e não encontramos nada que gostamos e dizemos: vou nua"


Foi mais ou menos isso que aconteceu.



Categoria: O defunto vestia mais dois tamanhos do que eu. O defunto era, por acaso, um dos Caretos de Podence.




 Categoria: Ainda diziam que eu nunca mais ia poder usar o vestido de chinesa, que comprei para o carnaval de 2004.




Categoria: Queria agradecer este prémio à minha agência, que me permite que eu coma às quartas e sextas. Obrigada!




Categoria: Esqueci-me de marcar cabeleireira tive que ir ao salão Nelita na Bobadela




Categoria: A Madonna esteve em Portugal? Ieeey! Não encontrei um sutiã de cone, mas arranjei este vestido que também lhe faz o tributo.



domingo, 14 de maio de 2017

A Pipoca e o Arrumadinho estão juntos?


Sem aliança, mas juntos.
 A ver. A ver.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

A Pipoca está reconciliada com o Arrumadinho? Habemus fumo branco na blogoesfera?

Quem os acompanha nas redes sociais percebe que estiveram os 2 na Tunísia.
Ontem ele publicou uma foto de um copo de vinho na casa da Pipoca.
Habemus reconciliação?

A ver. A ver. Acho que todos torcemos para que sim.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Hoje fui fazer o teste genético

Um dos meus pais tem uma mutação genética, que passou para o meu irmão.
Hoje fui fazer um teste genético (e a minha mãe também), mas só sei o resultado em Junho.

Em parte isto também me tem mexido com os nervos e estas situações juntas fazem-me até perder a fome. Quem me conhece sabe que quando eu perco a fome... ui! algo de muito sério se passa.

Engraçado é que a médica avisou e perguntou se tínhamos a certeza que queriamos fazer este exame, pois ele consegue colocar em causa a paternidade das pessoas. A minha no caso.

Ou seja, com o meu irmão a ter a mutação e sendo ela obrigatoriamente transmitida de pais para filhos, imagine-se que nem a minha mãe nem o meu pai têm a mutação, então significa que se tem que colocar em causa, por exemplo, a paternidade. Olha uma pessoa ir fazer um teste genético e sair de lá a descobrir que é filho de um pai diferente? Giro hein? A minha mãe pareceu-me tranquila, acho que posso ficar descansada. :)

segunda-feira, 8 de maio de 2017

(In)definições

Por estas alturas ando meio atormentada.
Sinto que o processo de ir morar com o namorado foi meio súbito. Num momento estava a partilhar casa com outras miúdas e com toda a margem de tempo para ir com calma e pensar bem neste processo e de repende puff! o namorado surge-me com uma hipótese de apartamento para alugar e vai na volta (e de repente) tivemos que decidir num esfumar e sem equacionar muito bem todos os contras.
Não que o processo esteja a correr mal, mas a situação de "viver junto" nunca esteve realmente nos meus planos e a rapidez ou a falta de planeamento (ou seja lá o que tenha sido) fez com que se arrastassem algumas situações que ficaram por resolver.

Incomoda-me alguma indefinição das coisas. Este "estar até ver".
O namorado diz que é tudo uma inconstância e que não sabemos o futuro para dar um passo seguinte. Indefinições sempre vão existir. Estabilidade é sempre uma utopia. Se por um lado concordo com ele e sempre pensei muito por essa linha de raciocinio agora começa a fazer-me comichões. Incertezas sempre vão existir. O que é certo é que temos os dois trabalho, estámos na mesma cidade e moramos juntos, que mais é suposto acontecer?

Por outro lado, as minhas hesitações são de outro âmbito, será que é algo que vai resitir a longo prazo? São 7 anos de namoro, ou seja já passamos os anos dourados em que tudo é fantástico e estámos meio que anestesiados pela descoberta daquele relacionamento.
Agora estámos no dia-a-dia, há roupa para lavar, há meias no chão, há contas para pagar. Não me fascina casar (como nunca fascinou) porque já não tenho a ilusão do óh meu deus já não aguento estar um dia sem ti ou casar vai ser fantástico porque acabaram-se os problemas, porque sei que não é assim, contudo esta indefinição também me atormenta.

Falhamos em algumas coisas, neste momento nem eu falo abertamente que moramos juntos com muitas das pessoas que me conhecem (mas que vivem geograficamente longe) porque grande parte da minha família não entende este estado das relações (e o que leva as pessoas a terem motivação para estar juntas e não para assumir um compromisso), o que faz com que em certas conversas tenho que me estar sempre a controlar para não me descair. Neste tempo todo nem os nossos pais se conhecem e muitas pessoas já começam a achar isso demasiado estranho (e é de certa forma). Enfim.

Aceito comentários, julgamentos, ideias que me ajudem a ver esta situação com mais clarividência, que é coisa que não está a acontecer neste momento. O que acham? Como foi convosco? O que fariam diferente do que fizeram?

  

Cúmulo do dia da mãe


Pego na minha mãe para irmos comer um gelado no dia da mãe.

Mal dou uma trinca vira-se ela: "Cuidado, come devagar para não ficares doente da garganta", seguido de um "chega-te para a frente para não sujares as calças".

...

...

...

Um dia a minha mãe entende que cresci. Um dia.

Ou então não.


quinta-feira, 27 de abril de 2017

Atualizações em jeito de síntese

- Segunda e Terça estive em casa. Yeeey!
- Para compensar trabalho até sábado esta semana. Óh não...
- Estes dias não foram bem bem para descansar... Eu explico. Um casal amigo do namorado, de lá de Trás os Montes, decidiu pernoitar lá em casa uma noite, o que fez com que tivessemos que andar a limpar tudo, tu-dinho, na melhor das hipóteses conseguimos convence-los que a casa está sempre assim, imaculada. Yeah, right.
- Um carro foi roubado do estacionamento do nosso prédio. Colocaram um aviso na entrada do prédio a explicar o que tinha acontecido. Deu mesmo uma primeira impressão boa aos amigos dele... Acho que passou a ideia que moramos num gueto. Great.
- No fim de semana passado fui a casa dos meus pais e levamos o meu bolinhas, o meu namorado foi a conduzir e estava a ver que tinha que chamar o reboque. Tenho que me convencer que o meu carro já não aguenta com muito aperto. Shiuuff! 

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Ideias de negócio rentáveis - via facebook


Vender moedas de 2 cêntimos a 20€.

Parece uma excelente ideia, com excelente rentabilidade! Vou já constituir uma empresa para este pegar nesta ideia de negócio iluminada.


terça-feira, 11 de abril de 2017

Sobre o alisamento

Tem corrido bem, já não tenho aquele cabelo liso estilo "uma vaca lambeu-me" mas aguenta-se bem liso sem ser preciso prancha.
Depois de mil experiências ao cabelo há muitos danos que nunca consegui reverter. O meu cabelo era originalmente liso até eu achar que giro giro era fazer uma ondulação, desde esse momento principalmente nunca mais tive o meu cabelo 'lisérrimo' de volta (ficou estragado para todo o sempre). Nos últimos anos alisei-o diariamente com a prancha. Já retirava 20 min por dia para o alisar, todas as manhãs, o que é um sacrifício, uma penitência por aquele devaneio de pré-adolescente.
Ao mudar de cidade e de casa percebi que tinha um cabeleireiro XPTO que as pessoas falavam no meu trabalho e decidi arriscar. 80€ e 3 horas depois parece ter resultado bem.
O cheiro que fica é uma coisa que incomoda mas vai passando, só estou expectante para perceber quanto tempo dura o efeito (falam entre 4 a 6 meses). Se assim for definitivamente vale a pena o investimento.

A ver... A ver... 

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Chefe

fashion, clothes, and style image

Chefe que é chefe não sucumbe a hábitos mundanos como comer ou dormir e como não está familiarizado com esses conceitos também não percebe que seus funcionários possam ter essas desprezíveis rotinas. Quase que habita no local de trabalho e tem o dom da omnipresença, sobretudo quando queres sair sem ser visto. Chefe que é chefe não vai almoçar a casa e está sempre a almoçar fora, desconfio que chefe que é chefe não cozinha, nem tem grande coisa no frigorífico. Afinal, nem é necessário, desde que haja café. Chefe que é chefe sai e volta para trás nos piores momentos, parece que fareja quando os seus funcionários estão em alta festa ou ramboia por ele ter acabado de sair, apanhando-nos em momentos e timings difíceis, "então mas ele não tinha saído ainda agora?".
Chefe que é chefe pergunta, com ar impressionado, "então mas você já quer ir de férias?" mesmo que já estejamos em Setembro. Chefe que é chefe pergunta (como já me perguntou) "de certeza que você precisa dos sábados em casa? Há assim tanto que ver lá na terrinha onde mora que precise de 2 dias de folga por semana?". Ahhh, precious. Chefe que é chefe não tem tempo e manda os assuntos para o advogado. Chefe que é chefe acha que nós funcionários somos consultores sentimentais e que nos importamos com o que raio está a acontecer na vida deles. Chefe que é chefe tem pouco interesse no que temos a dizer, no que diz respeito à nossa vida e preocupações, mesmo que até disfarce. Chefe que é chefe quer é debitar os seus problemas para os funcionários num monólogo, que quer disfarçar como conversa. Chefe que é chefe é aquele que te vê sair as 20h da noite do trabalho e te lança um "já vais?".

Ahhh, chefes.
Desconfio que haja uma escola onde saiam todos e que lhes prepetuem as mesmas doutrinas.

Qual é a vossa opinião dos vossos? Chefe que é chefe....(?)

Atualizações:
By Cynthia: Chefe que é chefe julga que os funcionários não têm filhos, doenças, reuniões escolares ou assuntos pessoais a tratar. Chefe que é chefe quer que os funcionários estejam disponíveis para sábados e horas extra sempre que for necessário e à última da hora, pois ai de nós que tenhamos uma vida cá fora :) 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Fiz um alisamento progressivo

hair, blonde, and goals image

Fartei-me do meu indomável cabelo e decidi marcar um alisamento (penso que deve ser o alisamento Purah). Uma manhã inteira de sábado para domar esta minha juba de leoa e até agora está muito bonitinho porque ainda não o posso lavar, contudo mal ponha água nele temo o pior.

Vocês sabem que eu sou aquela pessoa que quando dizem "9 em cada 10 pessoas ficaram satisfeitas, 9 em cada 10 obtiveram resultados blá blá", enfim, vocês sabem que eu sou aquela 1 que fica de fora.

A ver.. a ver... 
Vou dando novidades às interessadas.

terça-feira, 28 de março de 2017

Assalto ao casaco alheio

Nós, quase desfalecidos de tanto andar a pé em Amesterdão, sentamo-nos no Starbucks para afinfar uma fatia de cheesecake e 1 café americano (que ideia peregrina quando eu nem aguento um expresso) quando, nisto, ao nosso lado um casal de espanhóis começa a olhar para nós a dizer que lhe falta a carteira. Mau, eu normalmente fico solidária, mas não se me ponham a olhar para mim com ar de coiso. Achei descabido e nem liguei nenhuma, depois percebi que roubaram o casaco do senhor, que ele tinha colocado nas costas da cadeira e que no bolso estava a sua carteira.
Ou seja procuravam um casaco e como não tínhamos nada connosco estavam só mesmo a tentar perceber se tinhamos visto alguma coisa, uma vez que estávamos ao lado.

Não demos por na-da. Alguém foi lá buscar o casaco, saiu e puff... desapareceu.

Disse à senhora, no meu espanhol mui mal acabado que pedissem as gravações das câmaras de vigilância ao que a senhora do café disse que a câmara só aponta para a caixa registadora e saída, no restante café caput.

Pouco depois lembrei-me que tinha pedido ao namorado que me tirasse umas fotos e que devia ter sido nesse mesmo periodo de tempo que aconteceu o furto. Queres ver que temos a foto do individuo - pensei eu? Olhamos as fotos e a hora em que isso tinha acontecido batia certo com as das fotos. Apesar de tudo a foto só me apanhava a mim e ao que estava atrás de mim e nao foi suficiente para termos a prova fotografica do que aconteceu, mas deixa-me a pensar naquela teoria em que hoje em dia, através das fotos que as pessoas tiram e colocam nas redes sociais, quase que temos acesso a tudo o que se passa no mundo e naquele caso fez sentido, pois num ângulo melhor facilmente se tinha descortinado um caso de polícia.

Os espanhóis coitados ficaram sem carteira, documentos, dinheiro, enfim. Uma alhada para quem quer passar férias descontraídas. Ficámos felizes por não sermos os espanhóis e deixou-me mais atenta porque eu própria deixei a minha carteira em cima da mesa - ah e tal estámos no strabucks estamos seguros, yeah right.

No final, ainda estive tentada a trazer a chávena do café do Starbucks, como souvenir, uma vez que as câmaras não apontam para as mesas do café e não, ahahaha :)

segunda-feira, 27 de março de 2017

Pois que...


Serei madrinha do meu pequenino, único e homónimo sobrinho.
É toda uma novidade para mim.
Acho que nem estou bem ciente da responsabilidade inerente, mas tudo bem. Só quando o meu irmão me pediu o cartão de cidadão é que me caiu um pouco a ficha.
O batizado será no verão e eu mal posso esperar por apertar e encher de beijos aquela coisa fofa e redonda.

terça-feira, 21 de março de 2017

Guia de viagem #Amesterdão

Companhia: Vueling
Preço ida/volta: 63€
Estadia: AirBnB

Com mais de 50 museus e mais "500" ruas para descobrir a passear pelos canais, não falta o que fazer em Amesterdão. Haja apenas dinheiro e disposição.
É uma cidade linda, apanhamos bom tempo e voltei a mal conseguir andar de tanto que percorremos a pé aquela cidade.

No primeiro dia seguimos até à Fábrica da Cerveja Heineken e logo em frente compramos bilhetes para a viagem de barco pelo canais. Seguimos para este museu, o Museu Nacional (Rijksmuseum), para quem não se apercebe o acesso aos jardins do Palácio, ao lado das famosas letras, é gratuito e que dá para descansar um pouco desta confusão. Subimos às letras - morri de medo - e tirámos as fotos da praxe.

Resultado de imagem para amsterdam

Seguímos para a viagem que tínhamos comprado. Se tivessemos reservado pela internet teria ficado 4€ mais barato. Assim pagamos 16€/pessoa, mas valeu o dinheiro. A companhia foi a blue boat e tem audio incluído em português.

Resultado de imagem para tour canal amsterdam

Seguimos para o Centro de Amesterdão a pé e fomos até à estação central.

Resultado de imagem para central station amsterdam

Apanhamos um barco e fomos até ao A'dam Lookout, um edificio que tem um vista panoramica sobre Amesterdão, 15€/pessoa.

Resultado de imagem para a'dam lookout

E que tem o mais alto baloiço da Europa.

Resultado de imagem para a'dam lookout

Tivemos que aproveitar o bom tempo, nesse dia. Compramos a entrada premium que dá para subir ao edificio durante o dia e outra durante a noite e valeu a pena.
Comemos as melhores bolachas de sempre. Feitas na hora e quentinhas, num mercado de rua muito conhecido mas que falta agora à memória. 

Resultado de imagem para stroopwafels market

Fomos ao mercado das Tulipas, mais ainda não havia muitas porque os campos das tulipas também só abrem no fim deste mês.

Resultado de imagem para amsterdam market tulip

Passamos na casa de Anne Frank, na estátua, fomos à biblioteca municipal, ao Starbucks onde uns espanhóis que estavam ao nosso lado foram assaltados (assunto para outro post) fomos à red light district (o namorado não queria muto, ah estámos cansados, ah já andamos às voltas e dar de dar com as piquenas, enfim. Eu lá ia a Amesterdão sem ver a red light com os meus próprios olhos? Nem pensem. Insisti (irónico mas pronto) e lá demos com o sítio. Wow, as ruas ficam mesmo com luzes vermelhas e é shows + 18 porta sim porta sim.
Andamos muito, conhecemos a cidade e não me importava nada de lá voltar.
É fantástico. O único risco é ser-se atropelado por uma bike a toda a velocidade, pois são aos milhares de ciclistas por todo o lado. 
Agora ao ler o post da L. das Horas, quando ela lá foi, percebi que deixei o comentário que "estava na minha lista" mas estava eu longe de perceber que lá ia tão cedo e que ia merecer tanto a viagem.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Fui a Amesterdão

Resultado de imagem para amsterdam
Foi a prenda de Natal que ofereci ao namorado e
 tenho a dizer-vos é lindo, lindo, lindo.

Ele tem uma namorada que nem merece :p

quarta-feira, 8 de março de 2017

...

Acordo, tenciono ir para o trabalho e tenho o pneu no chão. Sorte das sortes? O carro do namorado tinha ido para o mecânico e iamos ficar só com o meu.
Namorado troca o pneu pelo suplente.
Eva Luna anda uma semana sem pneu suplente na mala, porque o que estava lá estava em uso (blá blá não tem tempo, blá blá preguicite).
Ontem ia almoçar e deparo-mes com o pneu suplente no chão.



Há coisas que só a mim, sinceramente.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Habemus puto!

Obááá, 
Ainda assim foi meio contrariado, não foi na minha conversa e teve que ser por cesariana.
Vai chamar-se o masculino do meu nome, pode ser que isso seja um sinal de que vá ser a madrinha, certo? Digam que si. (Ok, ok, não tem nada a ver, já percebi)

Se não for, também não há mal no mundo e sempre fica mais barato. 
Será o meu único sobrinho, de qualquer das formas não vou poder gostar mais dele do que já gosto. Ando com umas ganas de me meter num avião que nem imaginam, mas não está muito fácil. 

A ver. A ver.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

O meu namorado consome-me a energia

Resultado de imagem para rachel friends labor

Diz ele que não há problema nenhum em estar tanto tempo em trabalho de parto. A teoria dele é que a minha cunhada está tranquila, que não está em sofrimento nenhum e que isso são tudo coisas da minha cabeça. Deve estar medicada e pronto, problema resolvido - segundo ele.
Menosprezar é muito bonito porque nunca foi nada com eles. 

Respira fundo, muito fundo para não me chatear.


QUE RAIO SABEM OS HOMENS SOBRE ISTO?
Amigos se não sabem façam-me um favor: Caladitos, sugaditos! Fim de história. Fim de bitaites.
Amigas, se já pariram, digam, por favor, ao meu namorado que ele não percebe um boi disto e que nunca irá sonhar as dores e o sofrimento que se passa ao ter um filho e que se devia dedicar à pesca em vez de comentar este assunto.

Agradecida.

Nota: Tudo isto faz-me lembrar este episódio de Friends em que a Rachel está eternidades para a criança nasça e nada.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Carta ao meu sobrinho que não quer nascer

Puto, eu percebo-te. Nem sempre isto é o que nos prometem, eu entendo. Nascer é ter que aturar a Assunção Cristas no Jornal da Noite, que é uma senhora que aborrece, ter que lidar com o trânsito a horários que devíamos estar na caminha, agradar o patrão, mesmo que seja uma besta.  É ter que levar com os Festivais do Chouriço ao domingo à tarde, na TVI e com os atrasos recorrentes da CP e da Carris. Uma chatice, eu sei. Também não é fácil nascer no ano em que o Trump toma posse, aquilo que ouviste dos telejornais pode ser que não seja bem assim e que aquilo do muro não passe de um devaneio. Ou então talvez estejas com medo de ter que usar aquele fato que o teu pseudo-tio comprou de dinossauro. I totally get you.
Mas miúdo, não estás bem a ver, isto de nascer é a coisa mais espectacular de sempre. Eu sei que costumas estar habituado ao teu casulo húmido e escuro, e que estás bem, mas nem imaginas o que te espera cá fora. Um sol tão grande que vais ter que virar o olhar, de tão forte, cores tão diferentes de céu como nunca viste. Vais nascer numa ilha, queres melhor? Vais ser como estar de férias todo o ano. Se o teu receio é o Alberto João esquece, ele já está reformado e não está para se chatear. O outro, o Manuel Coelho, vai preso por isso é tranquilo. Vais ter os pais mais fixes de sempre e vais conhecer o mundo. É garantido. Tem coisas tão fixes que nem sonhas. Uma coisa já te aviso, vais ter que ter boas notas, puto o teu pai não vai ser o que vai ter mais paciência para te explicar as dúvidas das matérias, comigo não tinha nenhuma, vai te explicar uma vez e não vai entender como é que percebeste à primeira, mas vá... pode ser que já tenha aprendido entretanto, a paciência é algo que se trabalha. Apesar disso vai ser o melhor. Não terás ninguém mais preocupado e não te vai largar. Não sei se sabes mas ele adora miúdos. Fica fascinado, como não vejo igual. Da tua mãe vais ter a calma e a organização, do teu pai o espírito jovem. Há e avós, ui, não os conheces mas são umas figuras. A tua avó vai querer engordar-te com comidas feitas no forno, o teu avó levar-te a casa do Porto e que vejam jogos juntos. 
A tua tia, esquece, vai amar-te incondicionalmente. Podes pedir-lhe coisas, é uma coração mole, vai acabar por ceder.

Puto, eu sei que há mais inglesas aí em Agosto, mas admite que não podes ficar aí para sempre e que 1 dia em trabalho de parto já chega. Não chateies mais a tua mãe, eu sei que só lhes damos valor mais tarde, mas vá, não sejas teimoso, é mal de família e já somos muitos a ser assim. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

TV ON vs Cérebro OFF

Quando me quero abstrair do mundo a TLC é a minha melhor companhia. Por 20 minutos o cérebro desliga e fico só ali a contemplar os fenómenos Tlcianos.

Pois que voltaram com uma nova temporada de "Married by Mom and Dad", em que são os pais que escolhem os maridos/esposas dos filhos/as. 
As pessoas conhecem-se, e estão juntas pela primeira vez, no altar.

Epá, o conceito é brilhante... para provocar o caos. Love it, love it, love it.

Outro programa que acompanho é o "The Bachelor". Ouvia tanto falar deste programa nas séries, na imprensa, nos talk shows norte americanos e não percebia a razão do aparato. Pois que é só o melhor reality show da história.

Pegam num indivíduo e propõem que ele conheça e tenha encontros com 30 mulheres, com o intuito de casar com uma. O final do programa é ele a decidir com quem quer casar e a pedir a piquena em casamento. É outra pérola. Eles vão tendo mega encontros com cada uma delas, ora num iate, ora num helicóptero, ora numa ilha paradisíaca, ora dentro de um vulcão adormecido. Um must. Todas as semanas elimina 2 ou 3 miúdas até encontrar "a tal" o conceito vai nas 21 temporadas e é um reality show vencedor, o programa alterna com a "The Bachelorette", em que elas procuram o marido.

 Priceless.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Dias assim..

Reclamamos demasiado da vida. 
Da porta do armário da cozinha que alguém deixou aberta, do carro que precisou de um amortecedor novo, do tempo frio, da senhoria que nunca mais manda lá o canalizador, enfim, depois a vida trata de nos colocar no nosso devido lugar e mostrar que as nossas preocupações são n-a-d-a e que gastamos energia demais com coisas que não têm importância.
Após um episódio de doença o meu irmão fez análise e exames de despiste.
Foi encontrada uma mutação genética, transmitida pelos nossos pais, que lhe faz ter mais predisposição para desenvolver determinados e sérios problemas de saúde. Já iniciou medicação, aparentemente, para a vida.
Tenho que fazer os mesmos testes mas... partindo do princípio que um dos meus pais tem a mutação, que o meu irmão também, não tenho perspectivas muito animadoras. Por ser mulher a pílula aumenta cem vezes a possibilidade de doença e é durante a gravidez e parto que a doença é mais mortal.

...


Fuck.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Saldos #3



H&M

Inspiração:


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Considerações várias sobre cenas e afins:

- O vídeo do "Portugal em Segundo"... Ok, anima e tem partes engraçadas mas 0,5 segundos depois faz-me pensar que eu não me identifico com algumas coisas que lá são ditas, há insinuações e piadas deselegantes sobre a Melania.
Se o indivíduo X é um estupor e diz barbaridades ele é o responsável pelo que faz e diz. 

Se eu, ao falar do dito estupor, também digo barbaridades então eu sou responsável por isso.
Percebo a piada (logo eu que brinco com tudo) mas ecck acho que há outras maneiras de provar que não nos identificamos com as suas politicas de modo menos ofensivo.

- Ainda no outro dia ouvi o Diogo Morgado a falar sobre o seu bebé pequenino e esta semana vi as fotos dele aos beijos com uma miúda da novela, à porta de casa dela, regressando depois à casa onde vivia com a mulher e os filhos. Hoje vi que já saiu de casa, depois das fotos terem sido publicadas. Well.. well.. Haja deus e um Jesus menos hot, senão é isto que acontece...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Saldos #2


Sempre fui muito indecisa, quando gosto de mais do que uma coisa ao mesmo tempo nunca me consegui decidir por uma só, desde miúda. Acho que, pelo facto de nunca ter sido daquelas crianças chatas e pedinchonas, que queria tudo o que via, pois sempre tive consciência do esforço que os meus pais faziam por mim e pelo meu irmão, que quando isso acontecia os meus pais cediam e permitiam que não tivesse que escolher. 
Não me conseguindo decidir e tendo o coração dividido em 2 cores... trouxe ambas com a desculpa do "pelo preço de umas levo duas" blá blá. mas sei que no fundo devia ter a capacidade de escolher só umas. Enfim. Trouxe um número acima com a desculpa "umas palmilhas resolvem isto", pois que não resolveram e entretanto já tive que as trocar, mas se alguém gostar do modelo aqui fica a foto.

...

Sometimes holding on hurts more than letting go.:

domingo, 29 de janeiro de 2017

Saldos #1



29.99€
15.99€
Pull & Bear

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Uppss...


(Fotografia enviada ao namorado)

Eu: Não é o que parece... Eu posso explicar
Ele: Zara, Pull, Tiffosi, Kiko, Lefties...
Eu: Ok, é exatamente o que parece.

Ainda não tinha ido à H&M...

Desgracei-me!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Óh caraças..

Resultado de imagem para keep calm old birthday

Hoje perco o meu desconto jovem.
Isso pressupõe o fim de um ciclo, certo? E que os anos estão a passar. Raios! 
O ano que passou foi um ano bom e é o que me deixa um pouquinho menos saudosista ao fazer esta contagem, significa que também com o passar dos anos podem vir coisas boas.
Sou mais independente, mas continuo trapalhona e distraída. Tenho alguma estabilidade que me permite ir passeando, mas é só quando o lowcost está mesmo verylowcost. Tenho um espaço "meu", mas que o namorado me faz lembrar que "tenho que fechar sempre as portas dos armários" mesmo que vá voltar a colocar algo de seguida e que "não posso molhar o chão com o meu cabelo quando saio do banho".
Sei que sou uma jovem e tenho tudo pela frente, mas o meu metabolismo (sacana!) começou a atraiçoar-me e, recorrentemente, relembra-me que não é só mais um ano, que no total já são uns quantos dignos de registo e que me tenho que pôr fina e que ele não perdoa os meus raros, raríssimos, cof cof, deslizes. 
Vou ser tia e aqui não há nenhum "mas", mal posso esperar para ver o meu sobrinho e é uma sensação estranha porque começo a gostar de algo que nunca vi, mas pelo qual já tenho afecto.
Tenho medo de fazer planos para o futuro, muda tudo tão rápido que, às vezes, mais vale ir deixando a vida acontecer.
Não peço muito, só vou pedindo um dia feliz de cada vez. Com os meus. Aqui ou por esse mundo fora.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Vamos todos fazer um minuto de silêncio...

...pela minha vizinha cujo marido não suporta lençóis polares e mantém um casamento em que tem que dormir todo o ano em lençóis de verão.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Ser ou não ser

Quem me conhece daqui ou na minha esfera de amigos e familiares sabe que eu passo a vida a brincar. Nos textos são inúmeras as vezes que tenho que escrever -not- à frente para que as pessoas perceberem que estou só a satirizar a situação, sarcasmo é o meu nome do meio, nada a fazer.
Os meus amigos já conhecem, o meu namorado percebe, quem me lê penso que também já descortinou esta minha personalidade. Gosto de brincar e de usar ironia, sempre que posso, parece uma forma mais leve e mais engraçada de levar a vida.

Tudo muito lindo, tudo muito lindo mas o problema acontece quando as pessoas não me conhecem tão bem. Eu esqueço-me de explicar certas observações que faço, com ironia, e as pessoas ficam a pensar que eu acho mesmo aquilo que disse, mas cujo significado era o contrário.

Exemplo parvo e ao acaso.: Eu não digo: "Eu gosto de chocolate", eu digo: "eu? eu não gosto naaada de chocolate" e pressuponho que as pessoas que me conhecem entendem. Quem não conhece, percebi que fica a pensar que não gosto.


Ontem uns colegas do namorado, que conheço à pouco tempo, estavam a dizer-me que tinha que ir jantar com eles, que não tinha como escapar. Eu, a brincar, digo que "uii, amanha só saio lá para as 22h" e riu-me. Ficou combinado o jantar e só hoje me apercebi que eles estavam a alterar tudo para o jantar ser as 22h.

A sério.

Note to self: Falar a sério com pessoas que não me conhecem. Falar a sério com pessoas que não me conhecem. Falar a sério com pessoas que não me conhecem. Falar a sério com pessoas que não me conhecem. Falar a sério com pessoas que não me conhecem.





sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Viajar para a Ilha Terceira por 15€? Oi?


Depois digam que eu não sou amiga

Flickr Images