sábado, 18 de novembro de 2017

Taquicardias de domingo

Estes últimos fins de semana acumulamos uma ida ao Ikea, Matrizauto e OKsofas.
Mas com alguma finalidade perguntam vocês?
Não, nenhuma, nós é que somos masoquistas e gostamos de ir apreciar coisas que não vamos comprar.
Depois dessas voltas todas não há como não ficar semidepressiva.
Começo a pensar que se comprássemos aquilo que um início de vida precisa (casa, carro, móveis) que ficávamos endividados até aos 60 anos, que é coisa para me dar falta de ar.
Pudera que haja tantos divórcios, já viram o peso que isso soma a uma relação?
Enfim, custa a dar esse passo mas também custa viver numa casa arrendada e dar dinheiro por algo que sabemos que nunca vai ser nosso, que é dinheiro que nunca vamos recuperar. Sabemos que quanto mais tarde isso acontecer até mais tarde temos um empréstimo para pagar. Depois vem a questão do carro... Não temos um carro que nos permita fazer viagens como ir a casa dos pais. Na sexta vim a casa dos meus pais. Tive que sair às 16h para apanhar um comboio que atrasou 30 minutos, que me fez perder 2 ligações e esperar uma hora pela próxima viagem. Ao apanhar a segunda ligação o comboio atrasou mais 20 minutos.
Em Campanhã comprei um boletim do Euromilhões... afinal ia dar uma história engraçada: o comboio atrasou, tive que esperar em Campanhã e vai na volta comprei um boletim do Euromilhões e puff fiquei milionária - não aconteceu e assim foi só chato e muito desagradável. Começamos a já não ter muita paciência para este tipo de coisas, mas pronto.
Somando que ainda nem sequer casamos e essa conta é outra conta que sabemos que não fica nada barato.
Estamos a adiar vários tipos de decisões mas Cristo, se já passaram por isto, como é que vocês conseguem lidar com isso sem ter uma sincope? É que cada vez que penso nisso dá-me uma taquicardia...

8 comentários:

Anónimo disse...

Como eu te compreendo! A pessoa aqui também é masoquista e gosta de ir a lojas onde não vai conseguir comprar as coisas que gosta tão cedo... o meu namorado diz que é mais giro assim do que se nos fosse tudo dado de bandeja. Eu cá não acho piada nenhuma :p
Em relação à casa, comprámos a nossa faz um ano e acho que tomámos uma boa decisão. Sentimos que estamos a investir em algo que é (vai ser) nosso, vamos remodelando as coisas com calma e consoante a carteira deixa, mas temos o nosso cantinho e essa estabilidade sabe muito bem. Já tivemos uns problemas chatos com os arrendamentos por isso partimos um bocadinho de cabeça para a compra. O truque é ir juntando algumas poupanças durante o arrendamento e ir comprando mobiliário ou eletrodomesticos que possam usar numa casa futura vossa. Nós fizemos isso e deu um jeitão na altura de equipar a casa, porque ainda é uma despesa considerável. Força nessa luta :)

Vanessa

Francisco o Pensador disse...

Daria uma história engraçada de facto mas também existem outras situações em que, apesar do azar, acabamos por ficar com vontade de rir. Se não acreditar, pode ver por si própria através deste link:

https://trollitadas.blogspot.pt/2017/08/os-azares-da-vida.html

Gostei do seu Blog e espero poder comentar mais vezes os seus textos se você mo permitir.

Cynthia disse...

Eu não vou ver nada sem o objectivo de comprar. É como ir ver montras. Quando sei que não posso comprar roupa, não vou ver. É só depressivo. Nós optámos por ter carros em 2ª mão, comprados a particulares, a preços baixos, o que não nos correu bem. Agora, comprámos um num stand, semi-novo, tem corrido melhor... e acabamos de pagar em 7 anos. A casa é alugada, mas também me preocupo com isso, quanto mais tempo levar a procurar uma para comprar... até mais tarde vamos andar a pagá-la... a mobília começou por ser pouca. Depois, muita emprestada, alguma recuperada, outra oferecida, quase toda em 2ª mão... e ir comprando novas aos poucos. O casamento tb ainda está em stand by, mas quando for, será low cost!

Anónimo disse...

Decidimos em Abril deste ano começar a poupar mais afincadamente para irmos viver juntos no próximo ano. Nestes meses, já deu para juntar um bom pé de meia para móveis e grandes eletrodomésticos e, nos entretantos, fomos também comprando todas as coisas de enxoval que podem ir sendo compradas (pratos, copos, talheres, têxteis de cozinha, utensílios de cozinha, lençõis, etc etc). Nada nos cai do céu e temos sido nós a poupar e comprar tudo o que precisamos. Ainda não temos carro mas pretendemos comprar um carrito só para termos a nossa independência, nada de muito caro neste início de vida. E casa será arrendada de certeza, que isto de não haver empregos certos não permite dar esse passo agora.

É difícil e exige muito sacrifício. Sabemos poupar porque somos pessoas conscientes, focas e, acima de tudo, sem vícios. Não queremos sair de casa para irmos morar juntos sem ter dinheiro para tudo o que precisamos e ainda ficarmos com um pé de meia para eventualidades. O resto vai-se conseguindo aos poucos. Já diz a minha avó "de hora a hora, Deus melhora" e é verdade. O problema de muitas pessoas é quererem ter logo tudo de uma vez, comprar tudo e mais alguma coisa, dar passos maiores do que as pernas... É preciso ser muito ponderado antes! Poupar muito! Fazer sacrifícios aqui e ali. Nada se consegue sem esforço, a não ser para quem é rico ou tem pais ricos que ajudam :)

Boa sorte para nós nesta luta! :)

Catarina Dias disse...

Bem por aqui também estamos numa casa arrendada mas esperamos em breve comprar a nossa, embora as caras estejam caríssimas! O que fazemos é tentar juntar o máximo que pudermos enquanto estamos numa casa arrendada.
Quanto ao casamento casamos só pelo civil e fizemos um jantar com pais e irmãos. Era o que estávamos dispostos a gastar e foi o que gastamos.

beijinhos

TheNotSoGirlyGirl disse...

eu evito ao maximo ir ver coisas que nunca vou comprar porque depois choro porque fico apaixonada pelas decorações todas no ikea ahah

adorei o blog, estou a seguir! beijinhos!

TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

Vera disse...

Num inicio é sempre assim!
Na minha opinião devem estabelecer prioridades, o que faz falta primeiro, casa ou carro?
Quanto á casa, sou apologista de que quanto mais cedo comprarmos melhor, as prestações ficam mais suaves, e tudo se torna mais fácil. Na primeira fase até muitas vezes se consegue conciliar uma prestação de carro e casa. Renda já devem pagar, por isso com pouco mais pagam a prestação daquela que será a Vossa casa.Acredita que a satisfação final é muito maior, trabalhas mas com um objectivo de algo que é teu.
Enquanto não temos prestações, falo por mim, no final do mês o dinheiro que sobra é quase igual ao de quando temos prestações. A ausência de compromisso faz-nos esbanjar dinheiro em futilidades. ( continuo a dizer falo por mim, que até ter a minha prestação era precisamente assim)
Claro que os salários também nos limitam, e nisso cada um sabe até onde pode ir.

Eva Luna disse...

Obrigada pelo feedback a todos, ajudou a acalmar um bocadinho os ânimos :)

Flickr Images